Cursos de Graduação

Os cursos de Engenharia da Faculdade de Tecnologia da UnB visam à formação de profissionais com sólido conhecimento teórico e prático. Dentre as aptidões adquiridas, destacam-se a capacidade de elaborar, executar e analisar projetos técnicos e científicos; o acompanhamento das evoluções tecnológicas da engenharia; e o desenvolver pesquisas utilizando novas tecnologias.

Atualmente, no Campus Universitário Darcy Ribeiro, a FT oferece 10 diferentes formações profissionais de graduação em engenharia:

 


Graduação em Engenharia Ambiental

O Engenheiro Ambiental é um profissional com saberes que envolvem o meio ambiente, conhecimentos das ciências exatas e estendem-se à tecnologia para contribuir para a preservação e controle ambiental e melhoria da qualidade de vida. São responsáveis pela concepção, projeto e operação de instalações e sistemas de saneamento e de controle ambiental (água, solo e ar).

Perfil

O estudante que quiser seguir a carreira deve, ao mesmo tempo, ter afinidade pelas ciências básicas (matemática, física, química e biologia); criatividade e curiosidade científica e tecnológica; e mente aberta para o conhecimento associado às ciências humanas, fundamentais para o exercício do diálogo com a sociedade e com os demais profissionais que atuam na temática ambiental. Deve ser capaz de associar o pragmatismo do engenheiro com o idealismo do ambientalista.

Mercado de Trabalho

Face à crescente preocupação da sociedade com a questão ambiental, a evolução da legislação ambiental e a busca do desenvolvimento sustentável, o mercado de trabalho para o engenheiro ambiental é crescente e promissor. O engenheiro ambiental pode atuar tanto no setor público federal, estadual e municipal como no setor privado, além da atuação em ONGs.

O curso na UnB

Como os demais cursos de engenharia da UnB, o curso de Engenharia Ambiental tem como fundamentos a forte base em física e matemática e os conceitos básicos de engenharia, sem perder de perspectiva a formação humanística. O curso alia a formação tecnológica e a gestão ambiental por meio de disciplinas profissionalizantes distribuídas em quatro grandes áreas: geotecnia ambiental; recursos hídricos; saneamento ambiental;
planejamento e gestão ambiental. A estrutura curricular permite que, a partir da formação generalista provida pelas disciplinas obrigatórias, o estudante se aprofunde, por meio das disciplinas optativas, em uma área de interesse. Para complementar sua formação o aluno poderá se envolver em atividades extracurriculares de ensino, pesquisa e extensão.

Infraestrutura

O Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, responsável pelo curso, dispõe de oito (08) laboratórios que servem aos seus cursos de graduação e pósgraduação. No curso de engenharia ambiental os laboratórios mais utilizados em aulas experimentais, em trabalhos de campo, em trabalhos de pesquisa e em trabalhos de conclusão de curso são: Laboratório de Hidráulica, Laboratório de Geotecnia, Laboratório de Monitoramento e Controle Ambiental (em fase de implantação). Esse último incorpora as seguintes subdivisões: Microbiologia Aplicada à Engenharia Ambiental; Análise e Tratamento de Águas; Caracterização e Tratamento de Resíduos; Qualidade do Ar; Hidrologia e Amostragem em Campo; e Geoprocessamento, Modelagem e Simulação de Sistemas Ambientais.

Saiba Mais

  • Habilitação: Bacharelado
  • Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Civil e Ambiental - FT/ENC
  • Turno: Diurno
  • Vagas por semestre: 40
  • Site: www.enc.unb.br

 


Graduação em Engenharia Civil

O Engenheiro Civil é responsável por planejar, gerenciar, supervisionar e fiscalizar atividades de construção. Mas engana-se quem pensa que o trabalho está restrito às obras de edificações. Esse profissional também participa da criação de sistemas de transporte, canais de escoamento e distribuição de água, realiza levantamentos das condições de solo e rochas, estuda o impacto ambiental e promove ações de preservação do meio ambiente, entre outras atividades.

Perfil

Por se tratar de uma engenharia, os primeiros semestres têm disciplinas que aprofundam a Matemática e a Física. Porém, como o campo de atuação é variado, o aluno passa por disciplinas relacionadas à Química, à Biologia e, até mesmo, às Ciências Humanas.

Mercado de Trabalho

Em geral, os engenheiros recém-formados são bem aceitos no mercado. No setor público, há vagas em órgãos como a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), a Companhia Energética de Brasília (CEB), a Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), a Imobiliária de Brasília (Terracap) e o Departamento de Trânsito (Detran). Na iniciativa privada, o profissional pode trabalhar em construtoras de habitações, rodovias, barragens, fundações ou em empresas de consultoria que prestam serviços de inspeção, reforço e laudos técnicos no ramo da construção civil.

O curso na UnB

A graduação oferece aos alunos uma base teórica forte, com disciplinas em cinco áreas: estruturas e construção civil, geotecnia, recursos hídricos e meio ambiente, transportes e sistemas construtivos e materiais. A estrutura aberta do currículo permite que o estudante se especialize no ramo que mais o agradou. Outras oportunidades estão nas atividades extracurriculares, coordenadas por professores do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental. Assim, o aluno pode concorrer a bolsas do Programa de Iniciação Científica (PIC) ou participar do Programa de Educação Tutorial (PET).

Infraestrutura

As aulas práticas são realizadas em um dos oito laboratórios, que ficam na Faculdade de Tecnologia (FT) ou no prédio SG-12. Entre os espaços disponíveis, há os laboratórios de Geotecnia, de Estruturas e o de Materiais.

Saiba Mais

  • Habilitação: Bacharelado
  • Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Civil e Ambiental - FT/ENC
  • Turno: Diurno
  • Vagas por semestre: 40
  • Site: www.enc.unb.br

 


Graduação em Engenharia de Computação

A informática avançou e a ciência computacional também. Para acompanhar essa evolução, surge um novo tipo de profissional: o engenheiro de Computação. É ele quem trabalha com as diversas facetas da informática, inclusive os aspectos de hardware e software no projeto e desenho de sistemas computacionais, redes e processos.

Perfil

Facilidade com as Ciências Exatas é fundamental para quem pretende seguir a carreira. Outra exigência é que o futuro profissional busque contante atualização. Ao final do curso, o estudante terá sólida formação técnico-científica e profissional que o capacita a absorver e desenvolver novas tecnologias.

Mercado de trabalho

A atuação profissional está situada na fronteira científica e tecnológica entre as engenharias Elétrica, Eletrônica e a Ciência da Computação. O profissional trabalha projetando e desenvolvendo sistemas e tecnologias para aquisição da informação, processamento, armazenamento, comunicação e controle. Atua, também, no desenvolvimento de programas e produtos de uso específico, como sistemas que utilizam tecnologia digital e de informática. Setores de telecomunicação e de desenvolvimento de software e hardware, bancos, empresas de comércio eletrônico e de consultoria tecnológica costumam ofertar vagas para formador nessa área.

O curso na UnB

O curso de Engenharia de Computação oferece uma base forte de formação teórica, que permite acompanhar as transformações tecnológicas da profissão. Outro pilar da graduação é o "saber fazer", ou seja, a incorporação do componente prático de operacionalização do conhecimento e da materialização de um projeto.
O currículo é hierarquizado com pré-requisitos e co-requisitos e é constituído por quatro elementos: núcleo de conteúdos de formação básica, núcleo de conteúdos profissionalizantes, núcleo de conteúdos de formação específica e núcleo de atividade de prática profissional. O estudantes cursam matérias básicas de engenharia e outras específicas, como Eletrônica, Linguagens de Programação, Circuitos Elétricos, Sistemas Digitais, Redes de Computadores e Banco de Dados. No último ano, o aluno faz um estágio supervisionado e pode cursar disciplinas eletivas que orientam a formação para uma área específica da profissão.
O projeto final de curso também é feito em duas matérias, quando o aluno aprofunda conhecimentos em técnicas de desenvolvimento de hardwares e/ou softwares para sistemas computacionais.

Infraestrutura

O curso possui laboratórios de Informática, Circuitos Elétricos, Sistemas Embarcados e Robótica.

Saiba mais

  • Habilitação: Bacharelado
  • Unidades Acadêmicas: Departamento de Ciência da Computação - IE/CIC; Departamento de Engenharia Elétrica - FT/ENE
  • Turno: Diurno
  • Vagas por semestre: 40
  • Site: www.cic.unb.br

 


Graduação em Engenharia Elétrica

Quase tudo na vida moderna depende da existência de máquinas. Seja para a comunicação, para a indústria ou para a saúde, a humanidade utiliza equipamentos que funcionam à base de eletricidade. Falando assim, dá para se ter uma ideia sobre a importância dos engenheiros eletricistas na atualidade. Além da capacidade técnica, esses profissionais precisam ser comunicativos e eficazes no gerenciamento de tarefas. O espírito de equipe também é fundamental, visto que os engenheiros trabalham em parceria com profissionais de outras áreas.

Perfil

Para se dar bem no curso, é importante ter afinidade com Física e Matemática. O interessado deve gostar também de resolver problemas e investir na solução encontrada. O trabalho do engenheiro não é imediatista e exige paciência, dedicação e organização.

Mercado de Trabalho

Em Brasília, há uma grande demanda de profissionais no setor público. Ministérios, Agências Reguladoras e até mesmo o Poder Legislativo necessitam de algúem pronto para atuar com equipamentos e projetos. Apesar de a área pública ser dominante, há espaço para os engenheiros eletricistas em atuarem no setor privado. Neste segmento, o trabalho se concentra em indústrias, prestação de serviços e elaboração de projetos de vendas.

O curso na UnB

A Engenharia Elétrica é um dos cursos com maior quantidade de aulas práticas na UnB. Cerca de metade das disciplinas vêm acompanhadas de atividades em laboratório. A graduação oferece uma formação generalista. Dessa forma, o estudante terá conhecimento sobre todas as áreas da profissão, o que lhe permite adaptar-se às diversas necessidades do mercado de trabalho. O estudo divide-se em quatro categorias: sistemas elétricos de potência, telecomunicações, controle e automação e eletrônica. Há, ainda, as matérias optativas, que dão ao estudante a oportunidade de especializar-se em diferentes áreas.

Infraestrutura

O curso conta com cerca de 14 laboratórios para o ensino. Há outras unidades exclusivas para a pesquisa, mas os interessados podem ter acesso ao participarem de projetos extracurriculares ou programas de iniciação científica. Vale ressaltar que há laboratórios de alto custo, com espaço para a realização de experimentos complexos.

Saiba Mais

  • Habilitação: Bacharelado
  • Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Elétrica - FT/ENE
  • Turno: Diurno
  • Vagas por semestre: 40
  • Site: www.ene.unb.br

 


Graduação em Engenharia Florestal

Os engenheiros florestais são os profissionais que encontram um caminho seguro para a exploração dos recursos naturais. Esse profissional tem a capacidade de agir em um ambiente natural em todos os seus aspectos: biológico, físico, químico, econômico e social. O resultado é que a utilização da natureza se dá de forma sustentável e continuada, de modo a garantir a existência dos recursos para as gerações futuras.

Perfil

Assim como as outras engenharias, o curso aprofunda conhecimentos em Matemática e Física. Além disso, os alunos trabalham muito com a propriedade química das plantas. Aspectos como a Economia e o Direito Ambiental fazem parte do currículo. Os interessados na graduação também precisam ter a mente aberta, engenhosa e criativa.

Mercado de Trabalho

Antigamente, a atuação dos engenheiros florestais estava restrita às empresas privadas que produzem móveis, celulose e carvão vegetal, por exemplo. Porém, nos últimos anos, tem crescido o número de vagas no nicho de conservação e recuperação de áreas degradadas. Outro setor que ganha cada vez mais destaque é o de manejo de bacias hidrográficas e a educação ambiental. Os engenheiros florestais elaboram relatórios e realizam estudos de impacto ambiental e também em secretarias de governo, institutos ambientais e centros de pesquisa.

O curso na UnB

Na primeira parte da graduação, os alunos têm contato com disciplinas básicas da área, como Biologia Geral, Ecologia, Matemática e Meteorologia. Depois, passam a ter aulas de Fisiologia, Silvicultura (que analisa a formação das florestas), análise dos recursos naturais e conservação e proteção. Ao final do curso, os estudantes aprendem o manejo e têm um resumo de todas as matérias cursadas ao longo dos períodos.

Infraestrutura

A UnB oferece três unidades para o ensino da Engenharia Florestal no campus da Asa Norte: os laboratórios de Sementes, de Fauna e de Tecnologia da Madeira. Além disso, os alunos têm à disposição a Fazenda Água Limpa (FAL), próxima ao núcleo rural Vargem Bonita. No local, há um viveiro florestal, uma usina de secagem e preservação e uma usina de energia da madeira. Algumas aulas práticas também ocorrem no Laboratório de Produtos Florestais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Saiba Mais

  • Habilitação: Bacharelado
  • Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Florestal - FT/EFL
  • Turno: Diurno
  • Vagas por semestre: 50

 


Graduação em Engenharia Mecânica

Motores, turbinas, transformação de energia, combustão. Tudo o que se movimenta depende do trabalho de um engenheiro mecânico. E nem sempre a atuação concentra-se em fábricas de automóveis. O profissional está presente em diversos processos industriais, desde a produção até a garantia de segurança das instalações.

Perfil

Afinidade com Matemática e Física é um ponto favorável a quem deseja ingressar no curso. Porém, o mais importante é gostar de experimentar. O profissional da área precisa ser como uma criança curiosa, que gosta de montar e desmontar tudo para saber como as coisas funcionam.

Mercado de Trabalho

As opções de trabalho não ficam apenas no desenvolvimento das máquinas. O engenheiro mecânico pode supervisionar a operação dos equipamentos e até gerenciar o processo de produção. Outra alternativa é a venda especializada. Empresas que comercializam grandes aviões, por exemplo, realizam transações com a ajuda de engenheiros. Há espaço também no setor público, principalmente em órgãos voltados à Ciência e Tecnologia. Ressalta-se que o mercado exige constante renovação do profissional.

O curso na UnB

Ao longo dos semestres, o aluno aprenderá conteúdos que procuram reforçar quatro aspectos principais: a compreensão dos fundamentos da engenharia; a compreensão de projetos e processos de fabricação; a perspectiva multidisciplinar da profissão e a capacidade de comunicação, ou seja, de transmitir as ideias com precisão. Assim, a graduação transforma os estudantes em engenheiros plenos, preparados para trabalhar em qualquer atividade de empresas nacionais e internacionais.

Infraestrutura

Para garantir a formação dos alunos de Engenharia Mecânica, a UnB oferece 19 laboratórios de ensino. Entre essas unidades, destacam-se os laboratórios de Metrologia Dinâmica, Máquinas Térmicas e de Processos de Fabricação. Neles, os alunos pesquisam e também preparam projetos para competições universitárias que estimulam a criatividade. Uma delas é a Baja SAE Brasil, cujo objetivo é construir um carro de corrida que consiga ter o melhor desempenho entre todos de motores iguais. Os diferenciais ficam por conta de todo o resto do veículo – sistema de suspensão, freios, estrutura.

Saiba Mais

  • Habilitação: Bacharelado
  • Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Mecânica - FT/ENM
  • Turno: Diurno
  • Vagas por semestre: 40
  • Site: www.enm.unb.br

 


Graduação em Engenharia Mecatrônica

Muita gente pensa que o engenheiro mecatrônico passa a vida criando robôs sem qualquer utilização prática imediata. Mas a presença desse profissional é muito mais importante do que se imagina. Da máquina fotográfica à indústria aeroespacial, boa parte das coisas que hoje são necessidade dependem de equipamentos, máquinas e sistemas mecatrônicos. O engenheiro da área é responsável por aliar conhecimentos em Mecânica, Eletrônica e Ciência da Computação de forma a desenvolver a melhor solução para as atividades humanas.

Perfil

Como em qualquer outra engenharia, o interessado na graduação precisa gostar de Matemática e Física. É importante também ter boa capacidade de abstração e facilidade para trabalhar em equipe. Por ser uma profissão que interliga outras disciplinas, a Engenharia Mecatrônica exige comunicabilidade e paciência.

Mercado de Trabalho

A atuação dos profissionais da área concentra-se basicamente na indústria de transformação. Isso inclui hidrelétricas, siderúrgicas, fábricas de medicamentos e automóveis, entre outras. Como tem formação interdisciplinar, o bacharel em Engenharia de Controle e Automação pode trabalhar também com desenvolvimento de softwares e automatização de projetos. O nicho deve expandir-se cada vez mais com o crescente uso de máquinas em substituição ao trabalho braçal.

O curso na UnB

O estudante passará por três fases durante a graduação. Nos primeiros períodos, aprofundará o conhecimento em Matemática e Física. Depois, entrará no tripé básico da Mecatrônica: o estudo das engenharias Elétrica e Mecânica e da Ciência da Computação. No final, o aluno tem matérias profissionalizantes, como Robótica e Controle para a Automação.

Infraestrutura

Estudantes da Engenharia Mecatrônica utilizam laboratórios dos três departamentos que fornecem disciplinas para o curso. No site do curso, é possível acessar a biblioteca virtual que contém todos os trabalhos de conclusão de curso apresentados na Engenharia Mecatrônica. Além disso, há um fórum de discussão administrado pelos próprios estudantes.

Saiba Mais

  • Habilitação: Bacharelado em Engenharia de Controle e Automação
  • Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Mecânica - FT/ENM, Departamento de Engenharia Elétrica - FT/ENE, Departamento de Ciência da Computação - IE/CIC
  • Turno: Diurno
  • Vagas por semestre: 40
  • Site: www.mecatronica.unb.br

 


Graduação em Engenharia de Produção

Os engenheiros de Produção são aliados importantes da sociedade. Eles lidam com o projeto, a modelagem, a implantação, a operação, a manutenção e a melhoria de sistemas produtivos, integrando bens e serviços que envolvem recursos humanos, financeiros e materiais, tecnologia, informação e energia. É tarefa do engenheiro de Produção especificar, prever e avaliar sistemas produtivos com base nas interações com a sociedade e com o meio ambiente. O profissional da área atua nos diversos níveis das organizações, promovendo a utilização racional dos recursos e a gestão eficaz.

Perfil

Uma das características fundamentais do engenheiro de Produção é a capacidade de identificar, caracterizar e tratar adequadamente as formas de criação de valor associadas aos espaços econômico, político e cultural. O estudante que quiser seguir a carreira deve ser capaz de entender a produção e alocação de bens e serviços por agentes privados e públicos no plano econômico e político, nas esferas do Legislativo, Executivo e Judiciário, principalmente em Brasília, cidade que desponta no setor de serviços. O interessado desenvolverá capacidade de abordar os problemas do país e sua inserção no contexto mundial, incluindo o papel em instituições como o Mercosul, a Organização Mundial do Comércio, a Organização Internacional do Trabalho e a Unesco. Embora o foco maior do curso seja em serviços, a formação básica permitirá que o aluno atue também na fabricação de bens.

Mercado de trabalho

Além das indústrias, o mercado de trabalho para o engenheiro de Produção se amplia para uma série de setores que passaram a procurar os profissionais formados na área. São nichos com elevado dinamismo e taxas de crescimento acentuadas, como telecomunicações, informática e internet, que crescem inclusive quando a economia está estagnada.
A tendência para os próximos anos é de incentivo à criação de novas empresas com forte conteúdo tecnológico, em especial com enfoque na informática, nas comunicações e nas cadeias de suprimento. Engenheiros que partem para a realização de negócio próprio apresentam bons índices de sucesso, principalmente porque possuem formação gerencial (administração, gerência de recursos humanos, financeira), sólida base matemática e formação multidisciplinar.

O curso na UnB

A grade curricular foi estruturada de modo a capacitar o engenheiro a lidar com os problemas de produção dentro de um enfoque sistêmico. A proposta pedagógica procura, dessa forma, garantir uma visão articulada entre as características da atuação profissional e as diferentes áreas de conhecimento envolvidas na solução de problemas de engenharia.
O currículo do curso privilegia o conceito de "aprendizagem baseada em projeto”, no qual o processo ensino é centrado na atividade de projeto. Assim, o próprio estudante terá responsabilidade sobre sua formação, abandonando a tendência simplista de apenas reproduzir o conhecimento repassado pelo professor.

Infraestrutura

As atividades do curso serão desenvolvidas nas instalações da Faculdade de Tecnologia no período noturno. Cinco oficinas pedagógicas serão equipadas com ferramentas computacionais para a realização de trabalhos em projetos dedicados aos tópicos de Gestão de Projetos, Simulação Discreta e Fabricação, Simulação de Dinâmica de Sistemas, Confiabilidade, Manutenibilidade e Disponibilidade e Otimização.

Saiba Mais

  • Habilitação: Bacharelado
  • Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia de Produção - FT/EPR
  • Turno: noturno
  • Vagas por semestre: 50
  • Site: www.epr.unb.br

 


Graduação em Engenharia Química

O curso de graduação em Engenharia Química da Universidade de Brasília foi criado 2012 fundamentalmente para formar profissionais para atuar na academia e na indústria, desenvolvendo atividades voltadas para a pesquisa e o desenvolvimento de processos industriais de transformação físico-química.

Perfil

O curso de Engenharia Química visa dotar os profissionais de um conjunto de conhecimentos que possibilitem uma atuação estratégica no ambiente profissional. O curso se destaca pelo caráter interdisciplinar e multidisciplinar do conhecimento adquirido, o que permite ao profissional formado atuar com extrema competência em diversos segmentos tecnológicos.

O curso na UnB

O curso possui 282 créditos, o que equivale a 4230 horas, e pode ser concluído entre 8 e 16 semestres. A universidade de Brasília oferece 40 vagas por semestre para o curso de Engenharia Química, e os egressos recebem o grau de Engenheiro (a) Químico.

Saiba Mais

  • Habilitação: Bacharelado
  • Unidade Acadêmica: Faculdade de Tecnologia - FT / Instituto de Química - IQ
  • Turno: Diurno
  • Vagas por semestre: 40
  • Site: www.iq.unb.br

 


Graduação em Engenharia de Redes de Comunicação

O desenvolvimento das tecnologias de comunicação acelerou os processos de informação. Hoje, é praticamente impossível não ter acesso ao que acontece no Brasil e no mundo. Porém, todo esse fluxo estaria ameaçado sem a presença dos engenheiros de redes. Esses profissionais garantem que os caminhos da informação permaneçam livres e cada vez mais modernos. Cabe a eles desenvolver as tecnologias básicas, realizar projetos, implantar, operar e gerenciar redes de telefonia, televisão e comunicação de dados.

Perfil

Além da facilidade com disciplinas exatas, o estudante precisa gostar de computadores e ter habilidade para trabalhar em equipe. O interesse pelas novidades tecnológicas é fundamental para quem quer se dar bem na profissão.

Mercado de Trabalho

A área cresceu muito nos últimos anos e deve se expandir ainda mais com a chegada da tevê digital ao Brasil. Os engenheiros de redes atuam basicamente em concessionárias de telecomunicações, provedores de serviços de redes, empresas usuárias de serviços de redes, bancos, empresas de consultoria e processamento de dados, universidades e centros de pesquisa, indústrias de telecomunicações e nos setores de tecnologia da informação e da comunicação dos órgãos públicos.

O curso na UnB

Os alunos estudam, desde o início do curso, disciplinas da área, ao mesmo tempo em que cursam as do ciclo básico, como Matemática e Física. As específicas de redes envolvem aspectos teóricos e práticos e incluem desde o conhecimento dos equipamentos e dos protocolos de comunicação até o projeto, a implantação, o desenvolvimento de aplicações, o conteúdo, a gerência e a segurança das redes em ambiente de negócios.

Infraestrutura

Exercícios práticos são realizados em todos os laboratórios utilizados pelo curso de Engenharia Elétrica. Além desses, há o Laboratório de Redes de Comunicação (LabRedes) – espaço de cerca de 300 m² equipado com sessenta computadores clientes, vinte computadores servidores e uma rede local. O LabRedes subdivide-se em salas de aula informatizadas, cinco laboratórios e um centro de redes. A UnB possui também um laboratório para o desenvolvimento de tecnologias para Forense Computacional, Universal Internet of Things (UIoT) e TV digital.

Saiba Mais

  • Habilitação: Bacharelado
  • Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Elétrica - FT/ENE
  • Turno: Diurno
  • Vagas por semestre: 40
  • Site: www.redes.unb.br